terça-feira, 28 de abril de 2015

O carro fúnebre


Alguém viu o carro fúnebre ainda na cidade vizinha e veio dar o alerta.

Quando o carro chegou as ruas estavam desertas: as crianças fechadas em quartos escuros, de onde não podia sair sob pretexto algum; e as senhoras escondidas atrás das janelas, espreitando a rua pela fresta da cortina.

O carro era na verdade uma van adaptada,conferindo-lhe o aspecto fúnebre a cor preta e a inscrição dourada “agência funerária” nas laterais.

Ver o carro passar entretanto não era motivo para suspiros de alívio. Podia voltar.


Ninguém se esquecia da tarde em que uma pobre senhora viu o carro a parar-lhe à porta e chorou horrores. Ao anoitecer entretanto, quando tinha dezenas de pessoas no seu quintal indo prestar condolências, os preparativos do enterro em andamento, alguns familiares de outras cidades convocados de emergência, foi informada que afinal tinha havido um engano no endereço. Ela tinha estado a chorar no lugar de outra. 

terça-feira, 31 de março de 2015

Perdedores


 
Depois de nos lamentarmos das nossas vidas, começavamos a nos rir da desgraça alheia. Na verdade só agora a conversa tornava-se realmente interessante. Fazia sucesso entre nós a história de um sexagenário conhecido nosso. Depois de uma vida inteira de trabalho duro e sacrifícios, decidira que o resto dos seus dias seriam de prazer. Não deu uma volta ao mundo nem se tornou alcoólico. Passou a frequentar uma pensão discreta dos arredores da cidade. Sua convidada era uma mulher três vezes mais nova do que ele. Ela chegava primeiro, pegava a chave na recepção e sumia por um corredor meio iluminado. Poucos minutos depois chegava ele. Trocava um olhar de cumplicidade com o recepcionista e seguia o caminho da mulher. Horas depois ressurgiam os dois do corredor meio iluminado, abraçados e sorridentes. Ele pagava a conta e iam-se embora. Uma tarde, porém, a mulher ressurgiu sozinha, o que na pensão não era permitido sob pretexto algum. Depois de duas perguntas do recepcionista, a mulher confessou que tinha acontecido algo muito grave e desatou a chorar. Foram ao quarto e encontraram o nosso amigo morto e nu.